O Intercâmbio e a Idade

O Intercâmbio e a Idade

Quando se pensa em intercâmbio, muita gente logo associa a ideia àquela famosa e interessante experiência que alguns jovens têm e que a maioria idealiza e deseja um dia. No entanto, intercâmbio nunca foi – e vem se afastando cada vez mais de ser – um sinônimo de adolescência. Uma rápida análise da configuração e dos rumos de nossa sociedade atual nos permite confirmar isso. Atualmente, estamos presenciando uma expansão na adolescência e na juventude das gerações mais novas, que saem cada vez mais tarde da casa dos pais, estudam por muito mais tempo e iniciam uma família própria e um caminho profissional bem depois do que faziam os jovens de décadas anteriores. Essa realidade por si só já derruba aquela ideia de que intercâmbio é a viagem que se costuma fazer até os 25 anos, já que, mesmo que a experiência fosse algo estritamente ligado à juventude, ainda assim seria difícil definir um limite de idade para quem seriam os “jovens” em questão. Porém, mais do que as mudanças de parâmetros da juventude atual, a questão é que, mesmo em outras épocas, intercâmbio nunca teve uma demarcação etária. Apesar da predominância de pessoas entre 15 e 25 anos, é completamente possível, e cada vez mais comum, encontrar planos direcionados a adultos, incluindo tudo o que os mais jovens também fazem: passeios, hospedagem em casas de família, escolas e universidades.

É importante ter em mente que essa experiência não apenas é possível aos mais velhos, mas é também bastante desejável. Cada etapa da vida tem suas particularidades e, se por um lado muita gente se concentra nos pontos negativos de ter mais idade, por outro existem muitas vantagens em já contar com seus 30, 40 ou 50 anos. Os benefícios podem ser sentidos logo no início do processo, ou seja, no planejamento do intercâmbio. Já mais independente e estável, um intercambista mais velho tem mais autonomia em suas escolhas e decisões, o que pode resultar em uma experiência muito mais bem planejada e de acordo com seus objetivos e desejos próprios, uma vez que ele não está limitado às permissões e possibilidades dos pais. Além disso, existem questões práticas, como a burocracia na concessão de vistos que exigem a comprovação de vínculo do viajante com seu próprio país, que podem ser resolvidas muito mais facilmente por uma pessoa que já tenha mais estabilidade. Por fim, a parte realmente interessante do intercâmbio, a de aproveitar o novo país, não será em nada atrapalhada pelos anos a mais – e, pelo contrário, a maturidade também é mais uma vantagem na hora de saber se virar em uma nova realidade e de conseguir aproveitar ao máximo aquilo que vem como experiência.

Conhecimento existe e é bem-vindo em qualquer idade. Nunca é tarde para buscar novos enriquecimentos para a vida pessoal e profissional, e é por isso que existem tantos planos de intercâmbio para adultos, que representam uma porcentagem cada vez maior entre os intercambistas. Não há limites quando o assunto é conhecer o mundo e aprender tantas coisas novas. E é por isso que a melhor idade para fazer o intercâmbio é essa que você tem agora. Você nunca vai estar tão jovem quanto agora.

life abroad
Up Next:

Quero fazer um intercâmbio! Por onde devo começar?

Quero fazer um intercâmbio! Por onde devo começar?